Ensaio dimensional do corte à laser.

Quando desenvolvi a garra para o dispositivo 01 e a luminária paramétrica, percebi que o processo de corte à laser consome parte do material. Apesar de não ter uma ferramenta física – uma fresa, broca, etc. – atuando, essa técnica trabalha com a queima controlada do material através de um feixe de laser concentrado e é inevitável que algum material se perca.

A garra foi cortada sem qualquer tipo de compensação dimensional e por isso ficou ligeiramente menor do que o necessário. Em modelos de arquitetura isso não seria um problema já que, mesmo que tenha partes articuladas, seu propósito é de mera visualização. A garra, no entanto, é o produto final e deve funcionar sem folgas entre as partes.

No caso da luminária já houve uma tentativa de compensar a queima do material, baseado no dado fornecido pelo técnico do laboratório: perde-se .03 mm na dimensão total, ou seja, .015mm em cada borda. No entanto as leituras dimensionais feitas depois do corte não corresponderam ao desejado, havendo inclusive variações na perda de material entre as diversas geometrias de corte: ortogonal, diagonal e curvo. As partes da luminária precisaram ser encaixadas com golpes de uma marreta de borracha.

Surgiu a ideia de desenhar um ensaio que permitisse determinar com precisão qual a quantidade de material perdida para cada uma das geometrias de corte.

Infelizmente a máquina DS4 que me habituei a usar antes das férias não está operacional, graças a um alagamento que houve no laboratório em janeiro e inutilizou o sistema de refrigeração hidráulica. Até o momento,  não há previsões de concerto. A solução é usar a cortadora a laser menor, da marca Universal Laser Systems.

A imagem abaixo mostra o desenho feito no DraftSight. Repare nas linhas diagonais, curvas e ortogonais, correspondentes às geometrias de corte a serem testadas. Cada um dos números observados nas peças representa o ajuste feito em suas bordas para compensar o desbaste da máquina. Se o dado inicial era .03cm, 7 peças no intervalo entre 0 e .15cm me pareceram um bom grupo de teste.

ensaio_corte_cad

Abaixo estão as imagens dos testes possíveis entre as duplas de peças. A ideia, além de obter a medida exata da perda de material, foi obter a melhor solução de encaixe empiricamente, que pode não coincidir com as peças de maior exatidão.

Por hora não houve tempo de executar o teste adequadamente e o exemplo acima corresponde à peça 0, sem qualquer tipo de compensação dimensional. Quando o teste for feito, esta entrada será atualizada.

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.